TRANSLATE FOR ALL LANGUAGES

BOM DIA

SEJAM BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

CATEQUESE PELA INTERNET

Fiéis à Doutrina da Igreja Católica, porque somos católicos.

Respeitamos todas as religiões. Cristãs e não cristãs.

MANDE ESTE BLOG PARA SEUS AMIGOS. ELES TAMBÉM PRECISAM SER SALVOS.

visite o outro blog de liturgia diária

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

..........................................

HOMILIAS PARA O

PRÓXIMO DOMINGO


VEJA AQUI AS LEITURAS DE HOJE





sábado, 6 de março de 2010

A FIGUEIRA QUE NÃO DÁ FRUTOS

.

.

HOMILIAS PARA O PRÓXIMO DOMINGO

07 DE MARÇO DE 2010

========================================================

SEJAM BEM VINDOS AOS BLOGS DOS

INTERNAUTAS MISSIONÁRIOS

Fiéis à Doutrina da Igreja Católica,

porém, respeitamos todas as religiões.

=============================================================================

MANDE ESTE BLOG PARA SEUS AMIGOS E PARENTES.

...............................................

AH! DEIXE SEU RECADO, CRÍTICA E SUJESTÃO. PARA QUE POSSAMOS MELHORAR ESTE TRABALHO PARA A GLÓRIA DE DEUS, E NOSSA SALVAÇÃO.

SEIS COMENTÁRIOS PARA VOCÊ ENRIQUECER O SEU SERMÃO, E CONSQUISTAR MUITOS CORAÇÕES PARA O REINO DE DEUS. UMA BOA CELEBRAÇÃO E UM BOM DOMINGO NA PAZ DE JESUS CRISTO.

O COMENTÁRIO DO EVANGELHO POR LINCOLN SPADA JÁ CHEGOU.

1 –A FIGUEIRA QUE NÃO DÁ FRUTOSJosé Cristo Rey Garcia Paredes.

2- ETERNA É A MISERICÓRDIA DO PAI.Maria Elian

3- A FIGUEIRA QUE NÃO DÁ FRUTOS - Jailson Ferreira

4- A FIGUEIRA SEM FRUTOS – SAL

5- QUARESMA, UM TEMPO DE CONVERSÃO- Ciudad Redonda

6- QUEM NÃO TEM MEDO DA MORTE? – POR LINCOLN SPADA

NÓS PRECISAMOS DAR FRUTOS

REZEMOS PELA PAZ NAS FAMÍLIAS.

Comentário do 3º Domingo da Quaresma

Bom dia, irmãos e irmãs sejam todos bem vindos. Chegamos ao 3º domingo da Quaresma, tempo especial preparação para a Páscoa do Senhor. Esta preparação inclui oração, penitência e caridade. Ofereçamos ao Pai nossas fraquezas e a necessidade que temos de Deus. Que encontremos na Campanha da Fraternidade, o sentido da conversão, praticando e promovendo entre nós uma economia solidária cuidando da criação e da valorização da vida. Irmãos e irmãos, celebrando nossa conversão pessoal e comunitária, com alegria e fé renovada, vamos iniciar nossa celebração cantando...

Mª Elian

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

07 de Março – Domingo – A figueira que não dá frutos.

As leituras do III Domingo da Quaresma nos leva, mais uma vez, a repensar a nossa existência. O tema fundamental da liturgia de hoje é a “conversão”. Com este tema enlaça-se o da “libertação”: o Deus libertador propõe-nos a transformação em homens novos, livres da escravidão do egoísmo e do pecado, para que em nós se manifeste a vida em plenitude, a vida de Deus.

O Evangelho contém um convite a uma transformação radical da existência, a uma mudança de mentalidade, a um re-centrar a vida de forma que Deus e os seus valores passem a ser a nossa prioridade fundamental. Se isso não acontecer, diz Jesus, a nossa vida será cada vez mais controlada pelo egoísmo que leva à morte.

A segunda leitura avisa-nos que o cumprimento de ritos externos e vazios não é importante; o que é importante é a adesão verdadeira a Deus, a vontade de aceitar a sua proposta de salvação e de viver com Ele numa comunhão íntima.

A primeira leitura fala-nos do Deus que não suporta as injustiças e as arbitrariedades e que está sempre presente naqueles que lutam pela libertação. É esse Deus libertador que exige de nós uma luta permanente contra tudo aquilo que nos escraviza e que impede a manifestação da vida plena.

Leituras Primeira Leitura - Leitura do Livro do Êxodo (Êx 3,1-8a.13-15)

A humanidade hoje trava uma luta de libertação política, cultural e econômica: os povos lutam para se libertarem do colonialismo, do imperialismo, das ditaduras; os pobres lutam para se libertarem da miséria, da ignorância, da doença, das estruturas injustas; os marginalizados lutam pelo direito à integração plena na sociedade; os operários lutam pela defesa dos seus direitos e do seu trabalho; as mulheres lutam pela defesa da sua dignidade; os estudantes lutam por um sistema de ensino que os prepare para desempenhar um papel válido na sociedade… Convêm termos consciência que, lá onde alguém está lutando por um mundo mais justo e mais fraterno, aí está Deus – esse Deus que vive com paixão o sofrimento dos explorados e que não fica de braços cruzados diante das injustiças.

Segunda Leitura - Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios (1Cor 10,1-6.10.12)

O que é essencial na nossa vivência cristã? O cumprimento de ritos externos que nos marcam como cristãos aos olhos do mundo? Ou é uma vida de comunhão com Deus, vivida com coerência e verdade, que depois se transforma em gestos de amor e de partilha com os nossos irmãos? O que é que condiciona as minhas atitudes: o “parecer bem” ou o “ser” de verdade?

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas (Lc 13,1-9)

A proposta principal que Jesus nos apresenta chama-se “conversão”. Não se trata de penitência externa, ou de um simples arrependimento dos pecados; trata-se de um convite à mudança radical, à reformulação total da vida, da mentalidade, das atitudes, de forma que Deus e os seus valores passem a estar em primeiro lugar. É este ocaminho a que somos chamados a percorrer neste tempo quaresmal, a fim de renascermos, com Jesus, para a vida nova do Homem Novo. Concretamente, em que é que a minha mentalidade deve mudar? Quais são os valores a que eu dou prioridade e que me afastam de Deus e das suas propostas?

Existe uma conexão interessante entre a experiência de Moisés no Horeb e a parábola de Jesus sobre a figueira, entre a primeira leitura e o evangelho deste terceiro domingo da Quaresma. É a exegese (comentário) para a qual a liturgia nos convida! Trata-se da fecundidade ou infecundidade e também da prorrogação que nos é concedida para alcançá-lo.

O Deus por quem Moisés foi encontrado viu como seu povo sofria a escravidão na terra estranha e inóspita do Egito. Era uma terra que não permitia crescer, multiplicar-se, adquirir identidade e desenvolver sua capacidade criadora. Por isso, Deus decidiu transplantar seu povo e levá-lo para "a terra fértil e espaçosa, onde corre leite e mel”. Yahweh Deus - nome revelado a Moisés - decidiu transplantar “sua vinha amada”, ”sua figueira fecunda” desde o Egito para a terra de Canaã. O êxodo foi a historia acidentada desse transplante e desse sonho de Deus: uma maior fecundidade. A questão seria depois: que obteve Yahweh Deus com esse transplante?

Surpreende-me a freqüência com que Jesus, tanto nos evangelhos sinóticos como no quarto evangelho nos fala “dos frutos”. Até parece obcecado com a frutificação de todas as sementes que o Abbá depositou em nós: às vezes falam de talentos ou denários, outras de videira e sarmentos, outras de vinhas ou de figueiras. No fundo Jesus questiona a fecundidade de seu povo na nova terra.

Há uma tendência entre nós de não dar valor excessivo "aos frutos". Não tem boa fama teológica ou espiritual a “eficácia”. Tendemos a certa passividade, baseada na confiança quase cega na Graça que sempre atua e nos surpreende. Por isso, não queremos nos preocupar com números nem com a baixa fecundidade das esposas (baixa natalidade), nem com a baixa fecundidade das congregações ou com respeito às novas vocações, nem com a dissolução progressiva de grupos paroquiais, ou de grupos de jovens, nem com o abandono progressivo de nossas igrejas e de nossa fé...

A questão não passa pela eficácia, mais pelo dom da fecundidade que temos recebido e nossa responsabilidade ante o Deus que nos quer fecundos e férteis.

Recordemos a frase do Criador: “crescei e multiplicai-vos!”;

Os imperativos de nosso Senhor Jesus: “Eu os escolhi para vás e deis muitos frutos”, “a boa arvore dá bons frutos”, “por seus frutos os conhecereis”;

“O Pai quer obter os frutos de sua vinha”; o desejo do Abbá é que os discípulos e discípulas de Jesus “dêem frutos abundantes”

Porém, Jesus verifica a escassez ou ausência de frutos, embora não falte a folhagem e a aparência. O que fazer ante tal situação? A resposta de Jesus é: paciência! Embora conscientes de que o tempo é curto e o Senhor logo virá pedir as contas.

Em termos eclesiais podemos perguntar:

A Igreja católica é uma comunidade fecunda, fértil? É a missão que realizamos frutífera? Porque nós queixamos que nos perseguem e nos depreciam e não questionamos nossa superficialidade na hora de fazer propostas serias, nossa preguiça que nos leva a não buscar respostas adequadas a problemas novos? Nossa missão é infecunda porque lhe falta profundidade espiritual – atuamos nela como gerentes -, porque lhe faltam atualidade – como se vivêssemos em outra galáxia – e vontade política de acabar com as tradições absurdas, infecundas, inúteis. Há muitas pessoas ocupadas em dar brilho a objetos de velhas recordações que agora já não servem. Enquanto isto, tudo o que levamos entre nossas mãos nos envelhecem e as gerações cada vez menos se conectam conosco.

Folhagem não nos falta, porém o que frutifica? Nunca temos programado tanto, nunca como agora temos nos organizado tanto. A que se então a falta de fecundidade? Jesus nos falava da necessidade de “podar” para produzir mais frutos; e hoje nos evangelho nos fala de “cavar ao redor” e “aplicar esterco”. Como se interpreta isto hoje?

A nível pessoal, nós podemos planejar o seguinte:

Como estamos aproveitando o tempo para crescer, multiplicar-nos, sermos fecundos? Perder o tempo no que não vale a pena, não dar cumprimento ao tempo de que dispomos evitar os processos sérios de criação e substituí-los por rapidíssimas e ansiosas improvisações de última hora, nos leva a infecundidade. Dedicamos muito tempo ao que vale não a pena; e muito pouco ao que vale a pena.

Um artista passa muitas horas só, esperando o momento da inspiração; quando chega se entrega a ela apaixonadamente e não para até concluí-la. Quando o artista volta da solidão, sempre traz uma boa noticia.

Não há tempo a perder! Van Gogh se apressou em pintar a paisagem - rápido como uma locomotiva - porque a luz do dia estava terminando. Fellini se propôs a realizar em dez anos sua grande obra cinematográfica e se dizia depois: “depois... já não era possível”.

Dispomos de pouco tempo. O que nos é pedido não é fazer muitas coisas, mas sermos fecundos. Não é gastarmos e desgastamos, mas ser mediação de transformação. Estamos no tempo da prorrogação. Não nos podemos permitir o luxo de dedicar horas e horas em passatempos. Pedir-nos-ão conta! Com ele contribuímos para a morte dos outros. Uma vida sem sentido, infecunda, não colabora com a vida. Por isso, Jesus envolveu toda a uma geração infecunda na responsabilidade pela catástrofe da torre de Siloé: “se não os converteis todos parecereis da mesma maneira”.

Temos nos detido demasiadamente na lamentação. É hora de olhar para frente. Temos pouco tempo a nossa disposição. Muitos de nos estamos em tempos de prorrogação. Esta é a conversão que nos é pedida! Todavia é tempo de fecundidade!

José Cristo Rey Garcia Paredes

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

SEGUNDO COMENTÁRIO = MARIA ELIAN

07=de Março- Domingo= Eterna é a misericórdia do Pai.

Evangelho (Lucas 13, 1-9)

Na narrativa de hoje, algumas pessoas contam a Jesus a respeito dos galileus que foram mortos por Pilatos. Por considerarem Jesus um agitador, contaram a Ele esses fatos para intimidá-lo. E Jesus lembra sobre a queda da torre de Siloé em Jerusalém. Percebendo a intenção deles Jesus pergunta: “Vós pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus por terem sofrido tal coisa?” Naquele tempo ser pobre, doente, ou até a morte era castigo de Deus por causa dos seus pecados e de seus pais. E Jesus esclarece que Deus não castiga assim, nós devemos sim estar preparados sempre, pois as tragédias acontecem, em qualquer tempo, e não como castigo de Deus, por isso somos convidados à conversão diária. Deus quer que tenhamos vida, ele não quer a nossa morte.

Jesus conta a parábola da figueira, muito oportuna para o tempo que estamos vivendo, o da quaresma. Tempo em que todos somos chamados à conversão, a partilha, a oração. A figueira é uma árvore de maior produção na Palestina, dá frutos por dez meses, e ela representa o povo eleito, os que ouviram os ensinamentos de Jesus e que já deveriam está praticando a misericórdia de Deus, a justiça, porém não colocaram em prática os ensinamentos que receberam. E tamanha é a misericórdia de Deus para conosco, que Ele ouve o vinhateiro, que pede mais um ano, para adubar a terra, com a Palavra de Deus, com oração, e quem sabe assim possa dar frutos. E esse tempo é concedido. E temos mais uma oportunidade para nos renovar e quem sabe produzir os frutos que Deus tanto espera de nós, a nossa contribuição para o crescimento da comunidade a qual pertencemos, acordar para vida de discípulos, e ficar atentos e vigilantes para não sermos cortados.

Não devemos nos iludir achando que não necessitamos de conversão, de oração, que só outros pecam e tem defeitos, foi essa mentalidade que Jesus veio combater. Somos humanos, falhamos, temos nossas fraquezas e limitações, e todos os dias temos que buscar nossa conversão, ir para Deus, seguir a Jesus. Então nos perguntemos: O que eu estou fazendo? Eu sou uma figueira sem frutos ou não? Que tipo de frutos estou produzindo, para o bem da minha comunidade, para construção do Reino de Deus? O trágico é não aceitarmos a Boa nova de Cristo. Lembrando que não somos castigados, mas sim alertados. Mesmo estando a serviço do Pai, busquemos nossa conversão sempre, não somos melhores que ninguém. Mas, Deus com sua paciência e misericórdia, espera por nós, que atendamos seu chamado, mas necessita que sejamos atentos para ser tarde demais.

Oração:
Pai, que a minha vida seja uma contínua busca de comunhão contigo, por meio de um arrependimento sincero e de minha conversão urgente para ti. Espírito de conversão, que eu não me iluda, dispensando-me de voltar, cada dia, confiante, para o Pai.

Um abraço a todos, e um domingo de paz.

Elian

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

TERCEIRO COMENTÁRIO = JAILSON FERREIRA

A FIGUEIRA QUE NÃO DÁ FRUTOS

(Lucas 13,1-9)

Por que as pessoas morrem precocemente?

Algumas pessoas gostam de dizer que a Bíblia fala sobre todos os assuntos, basta que saibamos interpretá-la... O Evangelho de hoje fala sobre um tema bastante atual: as catástrofes, as chacinas e os acidentes.

Podemos dividir o Evangelho, didaticamente, em duas partes. Na primeira, Jesus comenta sobre o merecimento (ou não-merecimento) daqueles que morrem nestes eventos, e na segunda parte Ele conta uma parábola aparentemente fora de contexto.

Quando acontece uma catástrofe, chacina ou acidente, sempre nos vêm uma pergunta: "Por que isso foi acontecer logo com eles?... Será que mereciam morrer? Morreram porque eram muito pecadores?" E para as pessoas boas que morrem precocemente nós também ficamos intrigados: "Mas ele era tão bom... não merecia ter morrido assim..."

Hoje Jesus vem nos trazer uma resposta a essas perguntas. Estas pessoas não morrem assim porque são mais culpadas/pecadoras ou menos culpadas/pecadoras do que você ou eu... Lição que tiramos disso: Você ser uma boa pessoa não lhe dá garantia de que você viverá por mais tempo! E nem o contrário. Não existe regra para predizer quem morre antes e quem vive mais. Isso não cabe a nós, só a Deus.

Se fosse hoje, ao invés de falar da Torre de Siloé, que caiu em cima de 18 pessoas e matou todas, Jesus teria falado das torres gêmeas, ou do tsunami, ou do avião da TAM, ou do holocausto dos judeus na Segunda Guerra, ou do seu parente, ou do seu amigo, que morreu e você ainda não entende por que Deus levou aquela pessoa, ao invés de levar outra... Ele não morreu porque era mais pecador ou menos pecador que você ou eu. Quer saber por que ele morreu? Por 2 motivos: Primeiramente, porque se ninguém morresse, o mundo não caberia mais tanta gente; e segundo, para lembrar aos que ficaram vivos que busquem aproveitar melhor a vida e serem felizes, para quando chegar a nossa vez de morrer, termos a tranqüilidade de saber que iremos para um lugar ainda melhor...

A segunda parte do Evangelho é a Parábola da Figueira. O dono da vinha tinha mandado cortar a figueira estéril, mas o empregado pediu que desse mais um ano, que ele tentaria adubar a figueira, para ver se ela daria algum fruto. Sabe onde está a conexão entre esta parábola e a primeira parte do Evangelho? Quase sempre que acontece uma catástrofe, uma chacina ou um acidente, ficam os sobreviventes. Estes sobreviventes são como a figueira estéril, que Deus iria "cortar", mas o vinhateiro pediu uma chance de restaurá-la, e Deus concedeu. Observe que não existe uma causa para os que vão, mas existe uma causa para os que ficam: DAR FRUTOS.

Você já sobreviveu a algum acidente, doença, assalto, tiroteio, etc? Pois é... Deus ia lhe cortar, mas Jesus pediu uma chance para tentar fazer você FRUTIFICAR... Mas Ele tem um prazo para trabalhar você... Dê frutos!

Jailson Ferreira

jailsonfisio@hotmail.com

==================================================

QUARTO COMENTÁRIO - SAL

A FIGUEIRA QUE NÃO DÁ FRUTOS

Evangelho: Lucas 13, 1-9


Os nossos irmãos vítimas das enchentes não são mais pecadores do que nós. Uma senhora outro dia me enviou uma mensagem na qual me perguntava: Porque Deus a castigou daquele jeito, destruindo tudo o que ela tinha na inundação causada pela forte chuva?

Respondi que não se tratava de castigo de Deus. Que as fortes chuvas estavam sendo causadas por dois fatores climáticos atípicos. Um de ordem natural o fenômeno conhecido com o nome de El Niño, que consiste no super aquecimento das águas do Oceano Pacífico causado pelas erupções simultâneas de vários vulcões submarinos naquela área do referido Oceano, o que ocorre por volta de 7 em 7 anos. Este fenômeno acarreta fortes chuvas em uns lugares como no sul do Brasil pelas fortes evaporações das águas marinhas e, secas em outras regiões, como é o caso do Nordeste Brasileiro, causada pela gigantesca massa de ar quente e seca que bloqueia a massa de ar frio polar de penetrar naquela região, causando chuvas.

O outro fator que veio adicionar ao El Niño, foi o AQUECIMENTO GLOBAL, causado pelas fortes emissões de poluentes na atmosfera, principalmente pelas chaminés das fábricas que nos últimos anos aumentaram de forma assustadora.

Portanto, Deus não está castigando ninguém com as enchentes. Se tem alguém que pode ser considerado culpado pelo efeito estufa, são aqueles que não param de lançar fumaça na atmosfera.

Deus respeita as forças físicas da natureza com suas leis colocadas nela por Ele. Portanto, Deus não tem culpa se o homem vem alterando o meio ambiente de forma perigosa.

Porém, Jesus adverte os judeus e também a nós, dizendo: Mas se não vos arrependerdes, perecereis todos do mesmo modo.

Do mesmo modo os habitantes do Haiti não são mais pecadores do que os demais habitantes do mundo. Acontece que aquele país, assim como todos os que se encontram na Cordilheira dos Andes, estão sujeitos a abalos sísmicos ( terremotos) por ser uma área instável da crosta terrestre, e não porque Deus está castigando os nossos irmãos haitianos, com todo aquele sofrimento. Mas não é por isso que vamos deixar de rezar por eles.

O segundo ponto de reflexão do Evangelho de hoje, é a figueira que não dá frutos. Ela representa todos aqueles que ficam de braços cruzados e não fazem nada pelo Reino de Deus. Aqueles que não movem uma palha para anunciar a palavra de Jesus. É claro, que muitos são chamados, e poucos são escolhidos. Sabemos que nem todos têm o dom da palavra, nem o dom de interpretar a palavra de Deus. Mais não é só pela palavra que levamos Deus às pessoas. Fazemos isso pelo testemunho, pelo exemplo, pelo convite, e pela oração. E temos de fazer, pois poderemos ser cortados e até queimados como a figueira do Evangelho de hoje.

É muito fácil viver acomodado, assistir a missa aos domingos, voltar para casa, e continuar a nossa santa vivinha, sem nos incomodar em levar o Cristo que recebemos na comunhão para os nossos irmãos. Por isso precisamos mudar o nosso modo de ser, e começar a evangelizar pela nossa presença, nosso exemplo e nosso testemunho.

Sal.

==============================================================

Evangelho do domingo, 7 de março, III da Quaresma

O EVANGELHO
Evangelho segundo São Lucas 13, 1-9


Jesus recebe más notícias: Pilatos tinha matado alguns galileus, oferecendo sacrifícios no Templo de Jerusalém. Isso lembra a tragédia de 18 mortos na torre de Siloé desabou, a sudeste de Jerusalém.
As pessoas pensavam que era um castigo por seus pecados, Jesus nega, afirmando que Deus não castiga.
Mas é preciso chamar à conversão (portanto, para ler durante a Quaresma), e fazê-lo imediatamente, mediante duas maneiras:
Jesus diz às pessoas que se não se converterem, seus finais não serão melhores do que os desafortunados anterior.
Ele conta uma parábola em que Deus dá um novo prazo para as pessoas " dêem frutos", apesar de que o tempo já havia passado e que tais pessoas já deveriam ter frutificado. Não era incomum nas bordas do vinhedo a presença de figueiras. João já tinha avisado: "É o machado posto à raiz das árvores: toda árvore, portanto, que não der bom fruto será cortada" (3,9)
Só Lucas tem esta passagem.

Quaresma, um tempo de conversão e análise do nosso modo de ser cristãos. Lucas, transmitindo a parábola do lavrador, nos dá um aviso sobre nossos erros em muitos aspectos da nossa vida: acreditar que somos superiores aos outros, os melhores cristãos, os mais piedosos. Mentira!. Porque de fato somos hipócritas, mentimos para o resto da comunidade como eram os israelitas a respeito dos galileus.
Este tempo quaresmal forte deve servir para encontrar o norte em nossas vidas, que é a de ajustar o nosso comportamento com os ensinamentos do Evangelho, vamos aproveitar esse tempo para preparar a fim de produzir frutos para ajudar o Reino que vem. Tenha em mente que temos o melhor jardineiro do universo, Jesus e os melhores fertilizantes, que é o seu evangelho. Que podemos virar nosso comportamento e nos tornamos homens e mulheres novos levantando-se com Jesus na Páscoa é que os fundamentos da nossa fé. O jardineiro pediu-nos a graça de um ano. Não o desperdice.
Deus em Cristo nos ama e nos enche de bens de todos os tipos e se não recebemos alguma coisa que pedimos, é porque aquilo não nos convém. Sejamos agradecidos por tudo o que já recebemos das mãos de Deus.

Fonte

http://www.ciudadredonda.org/subsecc_ma_d.php?sscd=157&scd=1&id=2893

=====================================================

SEXTO COMENTÁRIO= AS PRIMEIRAS LEITURAS POR: LINCOLN SPADA

07+de Março – Domingo= As primeiras leituras.

Primeira Leitura

Só Moisés teve a oportunidade de ver a face de Deus. É essa a constatação que a tradição conta, a partir da revelação do nome de Deus: Sou. Palavra tão sacrossanta que os nossos irmãos judeus evitam dizê-la e fecham seus olhos quando estão de frente com a palavra escrita. Daí, o mandamento de não tomar o nome divino em vão. Moisés teve uma experiência extraordinária, além da declaração do nome do Senhor, ele teve a oportunidade de estar face-a-face com ele em uma teofania repleta de magia fantástica (no bom sentido, é claro). Moisés se identifica com o povo e, por isso, conhece e o ama de tal forma a ponto de querer libertar os seus iguais das mãos tiranas do faraó. A coragem, a valentia, a eloquente perseverança de Moisés dá-se como frutos do intrumento do Pai. Fazendo uma analogia com as nossas reflexões contemporâneas, é claro que não nos encontramos em uma situação de perigo como a do protagonista do Primeiro Testamento. Contudo, como ele, precisamos saber responder com a mesma magnitude o serviço que Deus nos pede para a formação do bem comum. Precisamos aceitar nossa vocação como instrumento de Deus e evangelizar num exemplo calcado em amor para quem nós tanto amamos. Devemos isso a Deus e também ao nosso povo, porque amamos o nosso povo. Que tenhamos o exemplo corajoso e cuidadoso de Moisés em nossos corações para realizar o serviço fraterno, amém. (Lincoln Spada)

Segunda Leitura

A segunda leitura mostra uma realidade do povo que não valoriza a Palavra, nem sequer a Deus. Sim, é o mesmo povo eleito por Deus e libertado por Moisés. E até entendo que o eleito possa ser porque suas qualidades se ressaltavam diante de seus defeitos e atos pecaminosos. Viva é uma comunidade que tenha imperfeições, porque precisará se superar diante dos obstáculos e alcançar uma santidade com a graça de Deus. É a oportunidade que temos, em grupo social, de nos tornarmos pessoas melhores e sermos melhores uns com os outros, na construção da terra prometida. A terra prometida vai além de um simples território fértil de Israel. A terra prometida é uma terra espiritual onde todo indivíduo se torna agente a partir de uma vida pautada na moral e na ética. Está bem, não só nesses dois valores, mas também na verdade, na justiça, na paz, na fraternidade e, principalmente, no amor pleno que só pode ser concedido na contemplação de Deus. É essa falta axiológica de valores que desonra qualquer povo eleito, qualquer irmandade e qualquer equipe interpessoal. Sem a valorização da bondade reconhecida pela nossa pequenez diante de Deus é o que nos fará cometer o mesmo erro da população mosaica. Que não cometamos o erro de nos vangloriar como eleitos, mas que façamos por merecer o título de filhos de Deus, amém. (Lincoln Spada)

EVANGELHO

Vou me atentar ao Evangelho com outra perspectiva. Quem não tem medo da morte? Se na cultura judaica, a morte é vista como castigo divino por causa dos inúmeros pecados de alguém contra o Decálogo e a Torá, imagina em nossa cultura ocidental? É estranho, porque por mais que acreditemos na ressurreição e também somos frutos de uma cultura indígena que trata a morte como um processo natural da vida, a gente costuma morrer junto de algum ente falecido. Não é só o falecido que vai, mas uma parte da gente também perece com uma notícia que consideramos tão maligna. Não se preocupe se você tem medo da morte, eu também tenho a mesma fobia (aliás, é a minha maior fobia), e creio que quase todas as pessoas têm. O que Jesus relata na primeira parte do Evangelho é que a morte precisa ser encarada como processo natural da transcendência humana. Não é por morrer numa catástrofe, que o indivíduo é pior do que quem morre sem dor ao dormir. A morte é a única certeza que temos. E ela não é um castigo, como a tradição oral judaica diz. Se olharmos a morte com tal ponto de vista, estamos nos deixando levar numa onda ideológica que vai contra a ressurreição e o pensamento cristão. Pensando bem, duvido que alguém chore por alguém que morreu. Porque temos a certeza que a pessoa está num lugar bem melhor do que a situação vivida. Eu tenho certeza que a pessoa chora por não ter mais o defunto ao lado. A pessoa chora por egoísmo. E é natural que choremos por egoísmo, como também é natural não querermos viver os términos, pois o homem tenta a todo instante se perpetuar para outras pessoas e dar uma sensação de valor que ele não tem. E dar uma sensação de ser eterno perante os demais. Contudo, meu caro leitor, o eterno é justamente aquele que é sábio e Ele aceitou morrer por ter certeza que deu o seu melhor para as outras pessoas, que conseguiu, de fato, viver uma vida plenamente cristã. É essa vida exemplar e repleta de testemunhos que será a figueira “paraboleada” por Jesus. Para não temer a morte, precisamos nos vincular aos atos amorosos de Deus a todo instante. Que tenhamos a vida virtuosa dessa figueira sagrada e marcada pelo sinal da fé, amém. (Lincoln Spada)

...............................................................................................................................................

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário